O programa Na Moral desta quinta-feira (12) levou quatro humoristas para comentarem sobre os limites da piada. Participaram do programa os humoristas Bruno Mazzeo, Gregório Duvivier, Helio de La Peña e Renato Aragão.

Quando o apresentador Pedro Bial mostrou um vídeo do canal Porta dos Fundos sobre religião, o eterno Didi, de Os Trapalhões, disse ser contra fazer piadas de religião e a discussão esquentou.

“Não precisa usar a religião para fazer humor. Eu acho que até agride, coisa que agride é você criticar uma religião, muçulmana, católica, evangélica, tudo”, disse Renato Aragão.

Gregório Duvivier, do Porta dos Fundos, discordou e afirmou sua posição como ateu dizendo que “não existe um sagrado absoluto”. “Olha só, eu acho que é engraçado a gente desmistificar. O meu Deus não é o Deus de outras pessoas. Não existe um sagrado absoluto.”

Respeitando a opinião de Duvivier, Renato disse que o humorista até pode falar de religião, mas não pode agredi-las. “Então, você está a caráter para falar desde que não agrida as outras religiões. Eu acho que o humor não precisa disso.”

Fonte: Gospel Prime

Após a tomada da cidade de Maaloula, um novo capítulo tem sido escrito na situação de guerra que vive a Síria. De maneira intrigante, a grande mídia silencia sobre o massacre bárbaro e diário dos cristãos. Enquanto muçulmanos alauitas e sunitas brigam pelo poder, quem mais sofre são os cristãos.

Como em toda guerra, surgem muitas informações desencontradas, mas entre os relatos existe uma consistência. As tropas rebeldes, que lutam contra o governo de Bashar al-Assad, são treinadas pela Al Qaeda e financiadas indiretamente pelo governo dos EUA. Possivelmente por isso a “grande mídia” deixe a questão dos cristãos convenientemente de lado.

O fato é que milhares de pessoas têm morrido ao longo desses dois anos e meio de conflitos étnicos e religiosos. De maneira quase unânime, quando se fala ou mostra a morte de soldados leais ao presidente, elas ocorrem por fuzilamento. Quando são cristãos, a forma padrão parece ser decapitar e expor a cabeça em público.

A conquista de Maaloula pelos rebeldes foi marcante pois ali vivia uma das mais antigas comunidades cristãs do mundo, onde ainda se fala o aramaico,  língua usada por Jesus . Situada a 50 quilômetros da capital Damasco, a pequena cidade de 3 mil pessoas ficou quase deserta. Estima-se que 80% da população, a maioria de cristãos ortodoxos e católicos, refugiou-se em cidades vizinhas. Mas não sem ver antes a maioria de suas igrejas e casas serem saqueadas, queimadas e ouvirem a ameaça que todo aquele que não se converter ao Islã teria a cabeça cortada.

O avanço dos rebeldes na área foi liderado por Jabhat al-Nusra, ligado a grupos jihadistas islâmicos. A liderança da Frente de Libertação Qalamon se mudou para a aldeia, agora cerca de 1.500 soldados de grupos liderados pela Al-Qaeda estão na pequena Maaloula.

A tomada da aldeia enviou duas fortes mensagens ao mundo: os rebeldes estão mais próximos que nunca de tomarem a capital e os rebeldes extremistas muçulmanos tentarão eliminar os cristãos da Síria.

Muitos dos habitantes que ficaram estão experimentando o horror diariamente. Segundo o site Sky News, da Inglaterra, esta semana três cristãos foram mortos em praça pública e seu enterro se transformou em uma verdadeira passeata de protesto. A grande concentração foi na parte antiga da cidade, que segundo a tradição foi onde o apóstolo Paulo parava em suas viagens até Damasco. O cortejo foi até a igreja ortodoxa Zaytoun, onde fizeram o culto fúnebre. Enquanto os sinos badalavam, partiram para o cemitério.

Mulheres vestidas de negro jogavam grãos de arroz no ar, uma forma tradicional de demonstrar luto.  Um pequeno grupo tocava tambores e, em meio ao choro se ouviam gritos. Uma mulher perguntava: “É isso que vocês chamam de democracia… isso é o que o governo quer?”, enquanto um homem fazia gestos obscenos e gritava palavrões contra o presidente Obama e o premiê inglês David Cameron.

Hoje, outras imagens chocantes correram o mundo. São da cidade de Keferghan, onde quatro jovens cristãos foram decapitados publicamente. Um fotógrafo que não quer se identificar, fez imagens que foram publicados pelo site da revista Time. Embora a revista não confirme, outras fontes alegam que o que motivou a morte deles foi sua fé.

Ele fez uma narrativa breve, mas chocante, do que presenciou:

“Eu vi uma cena de crueldade absoluta: um ser humano sendo tratado de uma maneira que nenhum ser humano jamais deveria ser tratado… Eu não sei quantos anos a vítima tinha, mas era jovem. Eles o forçaram a ficar de joelhos. Os rebeldes ao seu redor liam os seus ‘crimes’ listados  em um pedaço de papel. Eles o cercaram. O jovem estava com as mãos atadas. Ele parecia congelado. Dois rebeldes sussurraram algo em seu ouvido e o jovem respondeu de uma forma inocente e triste, mas eu não conseguia entender o que ele disse… No momento da execução, os rebeldes agarraram sua garganta. O jovem reagiu, mas três ou quatro rebeldes conseguiram imobilizá-lo. Ele tentou proteger a garganta com as mãos, que ainda estavam amarradas. Tentou resistir, mas os rebeldes eram mais fortes e cortaram sua garganta. Depois, levantaram a cabeça. As pessoas aplaudiram. Todo mundo estava feliz porque a execução aconteceu”.

Muitos estudiosos das profecias cristãos e muçulmanos acreditam que a s segunda vinda de Jesus está ligada à cidade de Damasco, capital da Síria. A crescente ameaça de guerra dos sírios contra outros países gerou uma série de análises nesse sentido.

Em comum entre as previsões está o iminente retorno de Cristo. Da parte dos cristãos, alguns apontam para Isaías 17:1. Para alguns, pode ser um prenúncio do Armagedom, a batalha final. 

Entre os sírios prevalece a tristeza pelos milhares de mortos e feridos, mas para milhares deles a esperança na vida eterna se fortalece. As agências cristãs têm oferecido ajuda material, emocional e, acima de tudo, espiritual para os refugiados nos países vizinhos. Milhares de muçulmanos estão ouvindo o evangelho livremente, alguns pela primeira vez na vida. Existem muitos testemunhos de conversões.  

Fonte: Gospel Prime. Com informações de Sky News e Time

A Rede Record definiu para o dia 16 de outubro a estreia nacional da aclamada série bíblica norte-americana “The Bible” (A Bíblia). A série vai substituir a produção nacional “José do Egito” na grade de programação da emissora do bispo Edir Macedo, sendo transmitida às quartas-feiras, a partir das 21h45.

Sucesso absoluto nos Estados Unidos, a série é campeã de audiência do History Channel, e foi vista por 13 milhões de espectadores no primeiro episódio e 11 milhões, no último, em 2013 nos Estado Unidos. Além disso, a produção apareceu frequentemente na lista de mais assistidos no país.

O grande sucesso da série levou à criação de uma segunda temporada. Com o título temporário de “A.D.: Beyond the Bible” (D.C.: Para além da Bíblia, em tradução livre) a nova fase da série será produzida pelo canal americano NBC, e vai contar a saga dos apóstolos e cristãos para afirmar sua fé ante a opressão Império Romano depois da crucificação.

De acordo com o MSN Entretenimento, a expectativa da Record é repetir a grande repercussão da produção também no Brasil, e que a audiência no horário atinja a casa dos 10 pontos.

Fonte: Gospel +

Uma família foi surpreendida por um doador misterioso que resolveu pagar seu jantar numa pizzaria e deixar um bilhete com uma mensagem simples, mas significativa. O gesto, além de emocionar a família, tornou-se um viral nos Estados Unidos.

A família England estava jantando quando uma das crianças, o menino Riley (foto), de oito anos, ficou alterado e começou a fazer barulho. Riley tem necessidades especiais, o que provavelmente chamou a atenção do doador, que preferiu o anonimato, mas deixou um bilhete: “Deus só dá filhos especiais para pessoas especiais”.

A mãe, Ashley England, afirmou em entrevista à rede de TV WBTV que alguns dos clientes da pizzaria demonstraram incômodo com o comportamento do menino. “As últimas semanas têm sido muito duro e difícil para nós, especialmente com passeios públicos. Riley estava alterado, batendo na mesa, e eu sei que foi incômodo para algumas pessoas”, disse.

Ashley conta ainda que estava se sentindo constrangida quando a garçonete se aproximou com o bilhete do cliente que havia pago sua conta na pizzaria e deixado uma mensagem singela e carinhosa.

“Alguém fazer esse pequeno gesto nos mostra que algumas pessoas absolutamente entendem o que estamos passando e como é difícil enfrentar o público, às vezes. Ele me fez chorar, me abençoou mais do que pode imaginar. Eu senti como se todos os comentários negativos rudes que sofremos não significassem nada perto desse bilhete”, declarou a mãe, emocionada.

Fonte: Gospel +

Uma mulher muçulmana de um país do norte da África contou seu testemunho de conversão ao cristianismo e as turbulências vividas ao longo do processo de aproximação com Deus.

Fátima, nome fictício, passou por diversos problemas de saúde em sua infância e adolescência, e esses problemas eram acompanhados de morte de pessoas próximas depois que ela buscava ajuda especializada.

Nesse período, Fátima teve três sonhos a respeito de sua espiritualidade. No primeiro, Jesus estava dentro de sua casa e vestido de branco, disse “Minha pobre filha”, demonstrando amor e compaixão por ela e pela situação em que ela estava envolvida.

Depois desse sonho, a jovem Fátima sonhou que havia morrido e que seu corpo estava sendo removido numa maca, quando ela levantou-se e disse aos familiares: “Não se preocupem, eu tenho a vida eterna”.

No último sonho desta série Fátima se viu ainda enquanto bebê, e mesmo envolta nas roupas infantis, conseguiu se aproximar da janela e deitar no parapeito. Para a jovem, esse sonho significava que ela tinha a escolha de ficar no escuro ou optar pela luz.

Mais de quarenta anos se passaram até Fátima ter outro sonho com Jesus. Na mesma época, sua filha tinha viajado para o exterior, e na volta, falava constantemente sobre o Cristo. “Minha filha começou a me bombardear com Jesus”, contou ela a Megan Ross, colunista do portal Charisma News.

A reação de Fátima foi instintiva, e ela passou a buscar refúgio na leitura do alcorão e nas orações islâmicas. Porém, com o tempo passando, o conflito interior foi se tornando mais intenso, até que um quatro anos depois, ela pediu a cristãos de uma congregação próxima à sua casa orassem por ela.

Após receber a oração, Fátima teve um novo sonho, em que trovões e relâmpagos iluminaram sua sala, enquanto ela sentia um calor muito forte e não conseguia falar. Um instante depois, ela viu Jesus, numa imagem semelhante à que tinha visto na adolescência. Convencida de que Jesus era o filho de Deus, ela gritou “Obrigado, meu Deus! Eu sou uma cristã agora!”.

Ao despertar, ligou a TV numa emissora cristã, e o pregador estava lendo Mateus 4:4: “Está escrito: ‘O homem não vive só de pão, mas de toda palavra que sai da boca de Deus” (NVI). Fátima pegou a Bíblia que sua filha havia dado e começou a ler o livro que, até aquela noite, não havia feito sentido para ela.

“Durante duas semanas, eu não comia nada, só lia Bíblia!”, contou Fátima, que passou os anos seguintes evangelizando sua mãe, que depois de se converter, sonhou que seu filho se convertia após sonhar que um homem batia à sua porta oferecendo-lhe a luz. O irmão de Fátima ainda não se converteu, mas já sonhou algumas vezes que uma pessoa batia em sua porta.  

Fonte: Gospel +

Sábado, 24 Agosto 2013 12:54

Só em Jesus - Cantata Jovem 2012

Sábado, 24 Agosto 2013 12:54

Pelo Sangue - Cantata Jovem 2012

Quarta, 14 Agosto 2013 22:12

2º Avivamento Jovens Luz do Mundo

Quarta, 14 Agosto 2013 21:55

Culto Jovem 27/07/2013

Pastor Silas Malafaia marcou presença no último programa ‘Na Moral’, da Rede Globo, exibido na noite desta quinta-feira (1º). Sobre o tema ‘Estado Laico’, ao lado de um padre, um ateu e um babalorixá, pastor Silas não fugiu de nenhuma discussão e levantou questões polêmicas, fazendo jus as suas declarações de que o programa teria um “debate quente”.

O programa de 35 minutos, um resumo de duas horas de gravação, foi – e ainda está sendo – um dos mais comentados nas redes sociais, chegando aos principais tópicos (top trends) do Twitter com a hastag #NaMoral. Leia o comentário do pastor Silas abaixo.

Polêmicas

O debate esquentou de verdade quando o pastor e o presidente da maior associação de ateus, Daniel Sotto-Mayor, davam explicações sobre o aumento do número de evangélicos no país. Sotto-Maior atribuiu o acrescimento à “Teologia da Prosperidade”. “Você pega um sujeito que não tem nada e promete que ele vai ser rico. Quando você vê os evangélicos vendendo a sua fé, esse é o carro-chefe”, disse o ateu.

Pastor Silas reagiu na mesma hora: “Então quer dizer que todo evangélico é rico?! Se a gente vende riqueza e a Igreja Evangélica já tem 30/40 anos vendendo riqueza, então tem um bando de otários que continuam lá!”, disparou.

E a discussão foi além. Daniel Sotto-Mayor acusou os governos que se pautaram pela religião de banhar de sangue e oprimir os diferentes. Ao que o pastor Silas respondeu: “Ninguém derramou mais sangue do que aqueles que eram a favor da anulação de Deus da sociedade”.

“Quem deu banho de sangue na humanidade foram aqueles que tinham o ateísmo como base. A revolução que aconteceu na Rússia, que matou mais de 70 milhões de pessoas, a revolução da China, que matou mais de 50 milhões de pessoas, o Pol Pot, agora lá no Camboja, naquela região. Estes camaradas tinham como doutrina a exclusão total da religião”, disse Malafaia.

Sobre a diminuição no número de católicos no Brasil, padre Jorjão explicou que muita gente se dizia católica e que hoje tem outras religiões, enfatizando que é “melhor que sejam bons cristãos do que maus católicos”.

Porém, pastor Silas destacou que o crescimento evangélico acontece graças ao ensino dos pastores. Pois os evangélicos não vivem apenas uma liturgia de culto, mas procuram viver a Bíblia no seu dia a dia.

Ivanir dos Santos, representante das religiões Afro-brasileiras, afirmou que o umbandista tem sofrido preconceito religioso e que a religião tem sido demonizada por outras religiões. Ele também convidou o pastor Silas para participar da Caminhada pela Liberdade Religiosa. O líder evangélico não prometeu que iria, agradeceu o convite e lembrou que os evangélicos já foram alvo de preconceito por parte de outras religiões e que na época não eram convidados para participar de programas televisivos.

Pr. Silas comenta:

Ninguém consegue ser 100% em um debate. Acredito que Deus me ajudou para que, no final das contas, Ele mesmo fosse glorificado. Se você assistiu todo o programa é nítida a minha participação em destaque. Estamos falando de quase duas horas de gravação em um programa editado em 35 minutos, que eles poderiam ter colocado em menor evidência a minha participação e aumentado a dos outros. Só posso atribuir isso a ação do Espírito Santo. Mais uma vez quero dizer: A Deus seja a glória! com informações O Globo e Verdade Gospel.

Assista o programa:

Fonte: Diário Gospel

Jovens Consagrados